Distopia é um mundo no qual alguém como Roberto Carlos pode fazer o mesmo que Tifanny

0
1855

O assunto do momento é o fato do transsexual Tifanny ter ido jogar na Superliga de vôlei. Com três jogos, já tem a maior média de pontos. Por questões biológicas, homens possuem estrutura corpórea diferenciada. Com isso, a competição é injusta. Isso também explica porque na maior parte dos esportes existe a divisão entre homens e mulheres.

Dias atrás, esse foi o assunto numa roda de bar na qual participei.

Lembramos dos tempos do jogador Roberto Carlos (do Palmeiras, do Corinthians e da Seleção Brasileira), que era conhecido por ter um chute que assustava muita gente. O assunto essencial falava do que poderia acontecer se alguém com o perfil de Roberto Carlos passasse pelo mesmo processo pelo qual passou Tifanny.

Muitos homens tinham medo de ficar na barreira quando ele ia cobrar faltas.

O vídeo dá uma ideia do canhão que o sujeito tinha nas pernas:

Agora temos a distopia.

Imaginem um mundo onde é possível que um homem cujo chute chega a 150 km/h possa “mudar de sexo” e passar a jogar entre as mulheres.

Se muito marmanjo já fugia da barreira ao encarar um Roberto Carlos de frente, o que dirá de um time de futebol feminino tendo que encarar esse chute?

Algo semelhante pode acontecer em breve no futebol feminino. Será distópico.

Em tempo: o jogador Roberto Carlos foi utilizado aqui apenas a título de exemplo. Nada se falou sobre sua sexualidade. É apenas exemplo, certo?