Mídia esquerdista resolveu ignorar o caso do brasileiro preso pela ditadura de Maduro

0
2196

A mãe do brasileiro Jonatan Moisés Diniz, de 31 anos, preso na Venezuela sob a suspeita de promover atividades contra o governo de Nicolás Maduro e de integrar uma organização criminosa, acredita que o jovem será libertado em breve pelas autoridades do país. Renata Diniz, de 60 anos, disse que “não há motivos para prisão” do filho já que ele estava na Venezuela para ajudar cerca de 600 crianças neste Natal. O dirigente chavista Diosdado Cabello — figura forte do chavismo — anunciou na noite de quarta-feira que as autoridades do país prenderam o brasileiro.

“No momento não sabemos muito bem o que está acontecendo. Estamos correndo atrás de informações. De antemão, já digo que tudo que está sendo dito sobre ele não é nada disso. Ele é uma pessoa que só ajudava crianças. Fez um Natal para 600 (crianças) na Venezuela. Ele não se conformava com a situação que elas passam na Venezuela”, contou Renata Diniz.

O jovem morava nos EUA (em Los Angeles). Embarcou para Caracas há 10 dias. A ditadura criou a narrativa de que ele dirigia uma organização chamada Time of Change, que, segundo as autoridades venezuelanas, servia de fachada para promover atividades contra o regime de Maduro nas redes sociais e nas ruas da Venezuela.

A mãe do jovem conta que ele era apenas mais um inconformado com a ditadura, como ocorre com qualquer ser humano decente.

“Ele de uma certa forma não se conformava. O meu filho mora nos Estado Unidos e sempre esteve empregado. Estamos acompanhando a situação dele na Venezuela, mas acredito que quando for “amanhã” eles vão ver que não tem nada (contra ele). Não tem motivos”, disse.

As informações são do G1.

O duro é que no andar da carruagem, o filho dela está ferrado, pois a mídia está ignorando o assunto. Sabe como é: a esquerda brasileira é solidária ao psicopata que tomou o comando na Venezuela.