Munição usada no homicídio de Marielle também foi usada por traficantes de São Gonçalo, diz polícia

0
479

Informou o Extra, d’O Globo:

“Traficantes da favela 590, em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, usaram munição calibre 9mm, do lote UZZ-18, para matar dois bandidos de uma facção rival, em 26 de julho de 2015, no bairro do Pacheco. Um dos acusados pelos assassinatos é Cleyton Passos Gomes, o Cleytinho, que está preso e vai à júri popular pelos assassinatos. O lote é o mesmo da munição usada na execução de Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, no último dia 14.

O caso foi investigado pela Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, que possui um setor de rastreamento da munição que é apreendida nos assassinatos. Além das mortes no bairro do Pacheco, em outros dois homicídios investigados pela especializada – um em Niterói e outro dois, em São Gonçalo – também foi usada munição do lote UZZ-18. A Polícia Federal foi informada pela DH sobre essa utilização da munição.”

Este lote de munição foi vendido para a Polícia Federal em 2006, pela CBC, e foi distribuído para unidades em todo o Brasil. O problema é que agora ele está evidentemente nas mãos de pessoas que não pertencem à PF.

A informação ainda é circunstancial, já que ainda não prova muita coisa. O que se sabe é que se a munição era da PF e agora está nas mãos de traficantes, a probabilidade de o crime ter sido cometido por policiais militares fica reduzida.